ABCD Semtra – Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho. Estamos localizados na Rua Manuel Borba, 257, cj. 66 - Santo Amaro - São Paulo. ABCD Semtra contribuindo para sua empresa crescer com saúde e segurança do trabalho. As áreas de atuação da ABCD Semtra são: Engenharia de Segurança, Medicina do Trabalho, Fisioterapia do trabalho, Atestado de Trabalho, ASO, Ginástica Laboral, Enfermagem do Trabalho e Laudos Periciais. A ABCD Semtra realiza palestras e cursos dentro de sua empresa.

Praticada no ambiente de trabalho, a ginástica laboral consiste em oferecer exercícios físicos diários de 10 a 15 minutos. A ideia é utilizar a ginástica para relaxar o corpo e a mente dos trabalhadores. Segundo especialistas, a ginástica laboral é a responsável principal pela redução de despesas por afastamento médico, por acidentes e lesões de trabalho. Ela também favorece o aumento da produtividade e qualidade do serviço prestado.

A fisioterapeuta da Área de Desenvolvimento da Saúde Laboral do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), Cristiane Nunes Guimarães, fala qual é a principal finalidade do exercício. “O objetivo principal é a prevenção das lesões, a prevenção da fadiga muscular e a correção de vícios de posturas. A gente senta muito errado e caminha errado. Com isso, podemos trazer consciência corporal”.

A fisioterapeuta recomenda que os exercícios sejam acompanhados de preferência por especialistas. Ela fala sobre alguns exercícios básicos praticados no local de trabalho. “Os exercícios básicos são assim: um aquecimento voltado ao alongamento e fortalecimento muscular, com a utilização de faixas elásticas. Levamos halteres para ajudar no processo”.

Para Cristiane Nunes, a ginástica laboral melhora o relacionamento dos empregados e ajuda na prevenção e reabilitação de doenças ocupacionais.

Fonte: Blog Saúde

No Dia Nacional da Prevenção de Acidentes de Trabalho, lembrado nesta sexta-feira (27), o Ministério da Saúde alerta para os cuidados que os trabalhadores do país devem ter para evitarem acidentes em seus empregos. Zumbido, irritabilidade, dores na coluna, estresse e lesões por esforço repetitivo são alguns exemplos de agravos que muitos deles ficam expostos todos os dias.

O coordenador geral de Saúde do Trabalhador, Carlos Vaz, destaca que o Ministério da Saúde tem o Manual de Doenças relacionadas ao Trabalho, com o objetivo de ajudar os profissionais de saúde a dar o melhor tratamento aos agravos constatados na lista. “Temos uma característica importante de não ser um campo que espera as pessoas adoecerem ou se acidentarem. Nossa perspectiva principal é intervir em processos de trabalho de ambientes de trabalho para que os adoecimentos não aconteçam. Então temos uma série de iniciativas nessa linha”, explica.

  • Veja a lista completa de doenças relacionadas à Saúde do Trabalhador do Ministério da Saúde.

Por isso, o Ministério da Saúde estabeleceu, para fins de notificação, o Sistema de Agravos e Notificação, que regulamenta a notificação compulsória de 11 agravos à saúde do trabalhador em toda rede do SUS. São eles:

  • Acidente de Trabalho Fatal;
  • Acidentes de Trabalho com Mutilações;
  • Acidente com Exposição a Material Biológico;
  • Acidentes do Trabalho em Crianças e Adolescentes;
  • Dermatoses Ocupacionais;
  • Intoxicações Exógenas (por substâncias químicas, incluindo agrotóxicos, gases tóxicos e metais pesados);
  • Lesões por Esforços Repetitivos (LER), Distúrbios Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho (DORT);
  • Pneumoconioses;
  • Perda Auditiva Induzida por Ruído – PAIR;
  • Transtornos Mentais Relacionados ao Trabalho;
  • Câncer Relacionado ao Trabalho.

Plano – No dia 27 de abril deste ano, os Ministérios da Saúde, da Previdência Social e do Trabalho e Emprego lançaram a Política e o Plano Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho. Desde então, os três ministérios atuam em conjunto para implementar, fiscalizar e avaliar as normas e processos na esfera pública e privada. O esforço conjunto representa um avanço nas garantias de melhores condições no ambiente e nas relações de trabalho.

O diretor do Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador, Guilherme Franco Netto, ressalta que esse plano visa trabalhar em uma política que une o Governo Federal, a representação dos setores empresariais e as centrais sindicais para criar uma plataforma ampla de proteção e defesa da saúde e da segurança do trabalho.

Além disso, o Ministério da Saúde está no processo final de elaboração da Política Nacional da Saúde do Trabalhador. “Essa Política considera os princípios do SUS como um todo, como princípio da participação social, do funcionamento sustentado e da descentralização. Ela visa à atenção à saúde do trabalhador implantada progressivamente de forma universal na Rede de Atenção ao SUS”, diz Franco Netto.

Fonte: Blog Saúde

Relações humanas no ambiente de trabalho – assim deve ser o tratamento com superiores, subordinados, colegas e clientes.
1 – Respeite seu chefe imediato, colegas, subordinados e clientes – Quem respeita, será respeitado.
2 – Não corte a palavra de quem fala – Fale pouco, convicto e com segurança.
3 – Seja claro na comunicação – Fale somente o necessário e saiba ouvir.
4 – Cuide de não ferir o outro com reações agressivas – Controle suas emoções.
5 – Procure a causa de suas antipatias a fim de vencê-las – Conheça-se a si mesmo.
6 – Nunca dizer categoricamente: “Não concordo! Você está errado” – Dizer a mesma coisa com outros termos. A maneira como você diz é mais importante do que aquilo que você diz.
7 – Tente sempre enaltecer as qualidades positivas das pessoas, através do elogio – Assim você cativa amigos.
8 – Cuide de certas normas de etiqueta social; aplique-as corretamente – Exemplo: não fume na presença de quem não fuma.
9 – Tenha sempre um semblante alegre e sorridente – O sorriso contagia o ambiente.
10 – Mostre interesse pelos outros, por seus problemas, sua família, sua profissão – As pessoas gostam de receber atenção.
11 – Dê importância ao outro, por mais humilde que seja – Valorize as pessoas, é uma questão de respeito.
12 – Mostre, pela atenção, que gostaria de ser seu amigo – Dar atenção confere destaque à outra pessoa.
13 – Lembre-se sempre que ninguém nasce sabendo – Aprender é descobrir ignorâncias.
14 – Lembre-se que para galgar os degraus do sucesso é preciso, necessariamente, vender simpatia – Só vendendo simpatia é que se atrai amizades.
15 – Dialogar sempre – O diálogo aberto e sincero, amigo, é um dos imperativos para quem quer ser alguém na vida.
16 – Gostar daquilo que você faz é gostar de si – Auto-estima: gostar do outro e amar seu trabalho são ingredientes de sucesso nas relações humanas.

Fonte: Terra

A exposição diária a altos ruídos, no ambiente de trabalho, é considerado fator principal para muitos casos de perda auditiva.

Ruídos é uma das maiores causas de perda auditiva e a exposição durante muitos anos a esses ruídos pode causar um grande risco de perda auditiva ou tinnitus.
Um estudo americano publicado em 2009 mostrou que os homens têm duas horas e meia a mais de probabilidade de desenvolver perda auditiva induzida (NHIL) do que as mulheres. Esse fato está associado ao fato de que os homens se expõem mais a altos níveis de ruídos do que as mulheres, durante muitos anos de trabalho. Das mulheres entrevistadas, apenas 3% trabalham mais que 10 horas em ambientes ruidosos, enquanto que a porcentagem de homens que expõem a esses tipos ambientes é de 16%.
Muitas pesquisas feitas, no mundo inteiro, têm comprovado que ruídos causados em ambientes de trabalho pode levar a perda auditiva. Dentre os profissionais vulneráveis a esse problema, destacam-se:

  • Trabalhadores de construção
  • Fazendeiros
  • Professores e enfermeiros
  • Bombeiros
  • Trabalhadores de plataforma
  • Trabalhadores de escritório em ambientes abertos
  • Trabalhadores de indústria
  • Soldador
  • Mecânicos
  • Mineiros
  • Motorista de caminhão
  • Músicos
  • Dentistas

Tinnitus foi apontado como outro problema auditivo associado aos anos de intensos ruídos no trabalho. Segundo uma pesquisa americana 13,4% dos homens que têm trabalhado por mais de 10 anos em ambientes ruidosos têm experimetado a sensação de toque de campaínha e zumbido nos ouvidos. Isso representa mais de 2,6 horas a mais que os homens que não têm sido expostos a ambiente de trabalho ruidosos.

Você pode diminuir, sempre, os riscos de problemas auditivos protegendo sua audição com protetor auricular (plugs) ou outros instrumentos de proteção auditiva.

Fonte: Hear-it

Pode começar com uma constante sensação de exaustão, um cansaço não reparado mesmo após uma longa temporada de férias. A cabeça começa a latejar, o coração acelera além do normal, o corpo sua, vem as tonturas e qualquer coisa, por menor que seja, irrita. Desencadeado por situações diversas, o estresse tem chamado cada vez mais a atenção de especialistas por sua relação com algumas formas de trabalho e profissões.

Segundo o International Stress Management Association no Brasil (Isma-BR) – associação americana com sede no Brasil que se dedica à prevenção e ao tratamento do estresse – 70% da população economicamente ativa do país hoje é afetada pelo problema. Desses, 30% sofrem com o nível mais elevado da doença. “As pessoas estão adoecendo cada vez mais por causa do estresse relacionado ao trabalho”, afirma a presidente da Isma-BR e doutora em psicologia clínica especializada no tratamento do estresse, Ana Maria Rossi. “O próprio INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) já declarou que a porcentagem de doenças relacionadas ao estresse aumentou em 28%”.

Em um ranking formado pelo Isma-BR, o cargo de profissional de telemarketing aparece entre as profissões mais estressantes no Brasil, em terceiro lugar. Dentre os desencadeadores, estão desde dificuldades de conciliação da profissão com as demandas normais de qualquer ser humano até a pressão que a profissão causa.

Assim que chega ao local de trabalho e faz o “login” no computador que usa habitualmente, não passam mais do que três segundos para o telefone da analista de telemarketing, Larissa Sena, comece a chamar. Desde a primeira chamada, no início do expediente, por volta de 14h, o fluxo intenso de ligações só é diminuído quando o relógio já alcança as 16h. “É constante!”, destaca.

TELEMARKETING

Em um setor que é responsável por receber as demandas de clientes que chegam de todo o Brasil e, até mesmo, de outros países, a analista reconhece que, muitas vezes, o maior estresse não é causado pela atividade exigida pela profissão e, sim, pelo comportamento de alguns clientes. “Eu tenho o primeiro papel de acalmar o cliente para passá-lo para outro atendente depois. Muitas vezes, o problema que eles querem resolver ultrapassa a nossa atuação e nós é que temos que ouvir a reclamação”, explica. “Eu trabalho há dois anos e oito meses com isso e, hoje, já sei lidar, mas, no início, já fui ofendida e fiquei muito estressada, chateada…”.

Segundo Ana Maria, presidente do Isma-BR, uma pesquisa realizada em 2011 pela associação a partir de entrevistas com mil trabalhadores na faixa etária de 25 a 60 anos identificou que são cinco as principais fontes de estresse relacionadas ao trabalho. Dentre os entrevistados, 62% apresentaram como fonte maior de seu estresse, a falta de tempo. “Muitas vezes isso era causado por uma sobrecarga ou excesso de tarefas”, afirma, ao identificar que essa foi a principal causa apresentada na pesquisa. “Isso é muito previsível para o mercado de trabalho que temos hoje. Notamos que as empresas estão enxugando seu quadro de funcionários e redistribuindo a mesma quantidade de demanda entre os que ficaram”.

Assim que chega ao trabalho, antes mesmo de iniciar o expediente, o bancário Whenio Calandrini já é apresentado ao que lhe espera. Antes da abertura do atendimento aos clientes, a fila de pessoas na porta da agência já anuncia a demanda de trabalho daquele dia. “O que vem logo à cabeça é que o dia vai ser complicado”, diz. “A demanda do público é tão grande, e o quadro funcional reduzido, que o atendimento começa às 10h e às 17h ainda tem cliente em atendimento”.

BANCÁRIO

Atuante na profissão tida como uma das mais estressantes do país (aparece em terceiro lugar no ranking da Isma – BR), Whenio atribui a principal causa do estresse no trabalho, justamente, ao excesso de demandas e o pouco tempo para resolvê-las.

Por causa do estresse causado pelo dia a dia agitado, quando chega a atender de 150 a 300 pessoas diariamente, ele reconhece que já teve que parar no médico. Ao passar mal, esperava a constatação de algum problema médico mais específico. No final, a explicação era, justamente, a irritação e exigência excessiva do dia a dia. “É um ciclo vicioso, a pessoa entra nessa rotina sem saber e, quando vai parar no médico, percebe que os problemas são causados pelo estresse do dia a dia mesmo”, afirma. “A realidade da própria profissão, hoje, impõe isso. Além da demanda crescente e da diminuição da estrutura de recursos humanos, há as metas que se precisa cumprir e ainda o risco de assalto que se corre trabalhando em agência”.

Além dos aspectos levantados pelo bancário, a pesquisa da Isma-BR também aponta o medo da demissão como outra das maiores fontes de estresse no Brasil, com 56%. Em terceiro lugar, a falta de controle atingiu 41% dos entrevistados. “A falta de controle está relacionada a maior responsabilidade do profissional e a pouca autonomia que ele tem para tomar decisões relacionadas à essa responsabilidade que tem”, informa Ana Maria Rossi.

A realidade revelada pelo estudo no Brasil também aponta indicativos no Pará. Apesar de não possuir uma pesquisa específica sobre o assunto, a Superintendência Regional do Trabalho Emprego e Renda do Pará (SRTE-PA) observa o crescimentos de demandas médicas ocasionadas pelo estresse no local de trabalho a partir dos atendimentos que realiza.

RELAÇÃO

Segundo a auditora fiscal do trabalho e coordenadora do setor de saúde e segurança no trabalho do SRTE, Edna Rocha, é percebida, inclusive, a relação do estresse com alguns acidentes de trabalho. “Temos muitas reclamações nesse sentido. De modo geral, vemos que o estresse tem relação com algum acidente de trabalho, com a exposição a uma carga excessiva e até com perseguições no local de trabalho”, aponta. “Se estou em uma jornada de trabalho excessiva, por exemplo, o raciocínio fica alterado e, dependendo do trabalho que desenvolvo, posso causar ou sofrer um acidente”.

De qualquer modo, para ela, o estresse está relacionado com as características específicas de cada profissão. “Cada ambiente tem um fator que causa estresse. Pode ser a pressão do ambiente, a carga de trabalho e a carga horária…”, acredita. “Quando a pessoa está exposta a situações de estresse, o organismo está sendo exigido mais do que ele pode dar”.

Fonte: Diário do Pará

Se não há outra opção de horário, o jeito é saber segredos para que falta de sono não prejudique a saúde

Seja por hábito ou por exigência da profissão, muitas pessoas literalmente trocam o dia pela noite. O que muitas delas não sabem é que isso pode resultar em problemas de saúde que vão desde cansaço físico, passando por complicações no estômago, até transtornos graves de humor.

“O ato de dormir está relacionado com o período escuro. Trocar a ordem dia/noite pode trazer distúrbios físicos, mentais e sociais”, alerta Marcelo Jorge de Souza Andrade, especialista em medicina do sono.

O médico explica que o organismo realiza uma espécie de ritual para se preparar para o sono. Enquanto a temperatura corporal e a frequência dos batimentos cardíacos diminuem, há um aumento na produção de melatonina – hormônio que provoca a sensação de sonolência. Como a luz do dia interfere  nestes processos, o profissional que atua à noite pode ter dificuldades para descansar quando completa seu turno de trabalho.

“Ao incidir sobre a retina, a luz do dia leva estímulos nervosos à glândula pineal, inibindo a produção de melatonina. Ao sair do trabalho pela manhã, as pessoas, muitas vezes, tomam sol durante o trajeto de volta para casa. Por conta disso, elas não conseguem dormir direito no restante do dia”, diz o especialista.

O neurologista Rogério Ayres de Oliveira também faz um alerta: “Dentre os problemas que essa privação do sono pode causar estão a fadiga, a perda de concentração e a predisposição para transtornos de humor, como ansiedade e depressão”.

O fato de a pessoa  “funcionar” em um ritmo diferente dos demais pode fazer com que ela perca o contato com amigos e família – o que aumenta os riscos de depressão. Além disso, segundo Marcelo, o trabalhador que atua na madrugada tem  mais chance de se divorciar.
boa alimentação/Gastrite, doença do refluxo e úlcera são outras complicações que frequentemente acometem esse tipo de profissional. Isso acontece porque os horários das refeições ficam desregulados e ele passa a consumir alimentos pouco nutritivos.

“Eu tive um princípio de gastrite, pois comia muita besteira. Só fui melhorar quando me mudaram para o período da manhã”, conta a jornalista Patrícia Vergara, que trabalhou por três meses no turno da madrugada (da 0h às 7h).

Se você trabalha à noite e não tem como mudar de horário, confira no quadro abaixo algumas dicas simples para preservar a sua saúde e não perder, literalmente, o sono.

Fonte:Diário de São Paulo


Não há como viver sem a água. Ela representa de 40% a 80% do peso total do ser humano, e funções vitais dos órgãos dependem dela para realizar-se plenamente.

Para suprir todas as necessidades do organismo é preciso tomar, em média, dois litros de água todos os dias. A nutricionista Camila Leonel da Escola Paulista de Medicina da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) explica que, ao longo de 24 horas, perdemos aproximadamente dois litros de água por meio da transpiração, urina, respiração e outras atividades que mantêm as funções vitais. “O corpo não possui reservas ou condições para armazenamento de água. É essencial que a sua reposição seja diária para manter a saúde e as funções básicas do organismo. Em medidas caseiras, essa quantidade representa oito copos”.

“O que acontece com frequência é que muita gente espera ter sede para beber água. A sede é um sinal de alerta para a necessidade do corpo por água. Ela aparece quando a quantidade de líquidos no organismo já se encontra abaixo do nível desejado. Por isso, não espere a sede chegar e o seu corpo ficar com os níveis de águana reserva. Reabasteça seu organismo com frequência”, enfatiza Leonel.

Os indivíduos desidratados apresentam menor volume de sangue que o normal, o que acaba atrapalhando o funcionamento do coração. A falta de água pode causar fraqueza, tontura, dor de cabeça, fadiga e, se for muito prolongada, levar à morte.

Uma dica é: tenha sempre uma garrafa de água ao alcance das mãos, pois a reposição de líquidos deve ser frequente e independente da sensação de sede. Além disso, se dois litros de água lhe parecem demais, saiba que parte da ingestão diária pode ser suprida com outras fontes, como sucos, água de coco, leite, frutas, chás e sopas.

Se esses detalhes ainda não convenceram sobre a importância de beber rigorosamente a quantidade necessária de água por dia, aqui vão outros cinco benefícios da água:

* Regula a temperatura corporal – Durante os exercícios físicos ou quando o clima está muito quente, a água do organismo é liberada pela transpiração para regular a temperatura e evitar que nosso organismo esquente demais ou sofra alterações térmicas bruscas.

* Desintoxica o corpo – Ela auxilia na prevenção e no tratamento de infecção urinária, pois o líquido estimula as idas ao banheiro, o que ajuda a “limpar” o trato urinário. Em parceria com a ação das fibras alimentares, a água ajuda a formar e hidratar o bolo fecal, evitando que ele fique ressecado e, como consequência, cause constipação intestinal. Também auxilia na respiração, pois dilui o muco, o que facilita a expectoração de resíduos pulmonares.

*Absorção e transporte de nutrientes – A água auxilia na absorção de nutrientes e glicose. Além disso, o líquido ajuda no transporte dessas substâncias pela corrente sanguínea e na distribuição para as diversas partes do organismo.

* Emagrecimento – Além de reduzir a retenção de líquidos, pois coloca os rins para trabalhar, a água também traz sensação de saciedade. Assim, ingerir dois ou três copos antes da refeição ajuda a controlar o apetite. Sem contar que não tem nenhuma caloria.

* Pele bonita – Promove a revitalização das células e mucosas. Na pele, isso resulta em uma hidratação de dentro para fora. portanto, ela constitui o método mais barato e eficaz para evitar o ressecamento e a descamação.

Fonte: MESP